domingo, 10 de maio de 2009

Rio Branco-Ac - REGIONAL I

"A maior atração de uma cidade é a qualidade de vida de seus moradores." - Jaime Lerner

A Regional I é constituída de 10 (dez) bairros: Cidade Nova, Bairro do Quinze, 06 de Agosto, Triângulo Velho, Triângulo Novo, Taquari, Comara, Loteamento Alzira Cruz, Loteamento Praia do Amapá e Amapá.


1. HISTÓRIA
Rio Branco foi fundada por Neutel Maia, em 1882. Naquele tempo ainda era um simples povoado, não era mais que uma clareira na mata, onde começaram a ser construídas as edificações de uso residenciais e comerciais que seguiam o traçado do rio Acre. O primeiro nome do povoado foi Volta da Empresa.

A própria cidade teve como segundo nome Villa Rio Branco e se concentrava na margem direita do rio, hoje conhecida como 2º Distrito. Em 1908, a sede da prefeitura mudou-se para a margem esquerda, atual 1º Distrito, iniciando assim a futura mudança da cidade para aquela margem.

O 2º Distrito é formado por um importante conjunto de bens arquitetônicos que retratam um largo período da historia acreana. Nele são encontrados monumentos naturais e culturais do Estado do Acre - como a histórica Gameleira, Tentamen, Cine-Teatro Recreio, Monumento erguido a Bandeira Acreana, casas comerciais e residências antigas.


2. ORIGEM DE ALGUNS BAIRROS

Cidade Nova
A formação do bairro Cidade Nova deu-se a partir da década de 70, quando os governos Federal e Estadual implantaram diversos programas de desenvolvimento econômico que visavam substituir a tradicional atividade extrativa da borracha pela pecuária. Desse modo, várias áreas de terras foram vendidas para empresários do sul do país que substituíram seringais por fazendas de gado.

Atualmente neste bairro existem alguns equipamentos que são relevantes para a cidade de Rio Branco: a Casa Rosa Mulher, construída em 1993; o Sindicato dos Extrativistas e Trabalhadores Assemelhados de Rio Branco e o Terminal Rodoviário de Rio Branco, construído em 1974.

Futuro bairro Cidade Nova, década de 60.

Quinze
A origem do bairro Quinze se confunde com a origem da própria cidade de Rio Branco, ocorreu ainda durante o período da “Revolução Acreana” no inicio do século XX. Sua ocupação deu-se em uma área fora do perímetro do povoado Volta da Empresa, em um lugar que serviu como acampamento ao 15º Batalhão de Infantaria do Exército. Muitos comerciantes se instalaram nas proximidades daquela área para atender aos soldados e oficiais brasileiros, iniciando o bairro.

Ao fundo, Centro comercial de Rio Branco - primeira rua da cidade, hoje Rua 17 de Novembro, também chamada de Rua Eduardo Asmar.


06 de Agosto
O bairro Seis de Agosto teve sua formação em terras do Seringal Empresa, situado à margem direita do rio Acre. A Rua Seis de Agosto é uma das primeiras de Rio Branco. Ela surge de um varadouro que ligava o seringal Catuaba ao seringal Empresa, por onde eram transportadas mercadorias e borrachas utilizando animais de carga.

Rua Portugal - Alagação de 1941 - Enchente do rio atingindo o bairro.
Acervo: SEPLAN. Acervo Digital: Memorial dos Autonomistas.


Taquari
O Bairro Taquari tem esse nome em homenagem ao primeiro avião a chegar no Acre, em 1936. A área só foi ocupada em 1981.

O processo de ocupação dessa região deve-se aos movimentos sócio-econômicos da década de 70. Naquela época os governos Federal e Estadual implantaram diversos programas de desenvolvimento econômico que visavam substituir a tradicional atividade extrativa da borracha pela pecuária. Para tanto diminuíram os financiamentos que eram concedidos aos seringais e criaram vários incentivos para empresários do sul do país, para que montassem fazendas de gado na região. Com a chegada dos “paulistas” e a implantação das grandes fazendas de criação de gado na década de 70 começaram a ocorrer invasões em terrenos da periferia da cidade por parte dos seringueiros que não tinham mais trabalho em suas regiões de origem.

A invasão e formação do bairro do Taquari se deram como parte deste mesmo movimento. Em 1986, este bairro já era uma das principais áreas de invasão da cidade.


3. PLANEJAMENTO URBANO

3.1 Organização
No mapa da regional é fácil identificar a sua divisão, porém, quando visitamos, encontramos dificuldade em identificar onde começava e terminava cada bairro. Nem mesmo os moradores sabiam informar com exatidão.

No Bairro do Quinze, por exemplo, numa mesma rua entrevistamos moradores que diziam que estávamos neste bairro enquanto que outros diziam que estávamos no Cidade Nova.

Como a maioria dos bairros surgiu de invasão, os lotes não são organizados nem bem divididos. É como se a população tivesse entrando de qualquer jeito e tomando posse.

3.2 Identidade Regional
A cultura é a peça chave para a interpretação do espaço. No 2º Distrito identificamos vários elementos da época em que surgiram os bairros, que não conseguimos observar em nenhuma outra área da cidade de Rio Branco. Podemos usar como exemplo o Calçadão da Gameleira, uma área tradicional que cria uma singularidade ao lugar.

Calçadão da Gameleira. À esquerda Passarela Joaquim Macedo. À direita a Rua 17 de Novembro.


3.3 Morfologia Urbana

3.3.1 Densidade populacional
De acordo com dados coletados na Prefeitura Municipal, a população da Regional l é em torno de 24 mil habitantes.

3.3.2 Uso
Na maioria dos bairros o uso é predominantemente residencial. Porém, nas áreas cortadas pela Via Chico Mendes, a área comercial é bastante desenvolvida.

Via Chico Mendes - Área comercial.


Bairro do Amapá - Área residencial, com características de área rural.


3.3.3 Pontos Focais
São pontos ou áreas consideradas atrativas de pessoas e, por isto auxiliam a orientação e identificação. Nessa regional identificamos o Parque Capitão Ciríaco e o Calçadão da Gameleira.

Terminal Rodoviário


Parque Capitão Ciríaco



Calçadão da Gameleira


3.3.4 Marcos Visuais
Elementos que se destacam visualmente na área considerada, tornando-se balizas ou referências - é o caso do Monumento à bandeira acriana, na Gameleira e a caixa d’água do 2º Distrito, na Rua 06 de agosto.

Monumento à Bandeira Acriana, no Calçadão da Gameleira.

Caixa d’água do 2º Distrito


4. PROBLEMAS DA REGIONAL I

Tendo em vista as visitas nos bairros, entrevistas realizadas com moradores e Coordenador da Regional I, senhor Amarílio, concluímos que o maior problema dessa regional está relacionado à falta de infraestrutura. Em grande parte dos bairros a questão de esgoto é resolvida por meio de fossas, enquanto que o abastecimento de água é feito por meio de poços. Somente as principais vias possuem pavimentação.

O segundo maior problema é fundiário. Em praticamente todos os bairros existe esse problema, uma vez que a maioria deles é fruto de invasão.


5. CONCLUSÃO
Concluímos que, apesar dessa ser a primeira regional da cidade, necessita de maior atenção por parte dos órgãos competentes, pois apesar contar com infraestrutura nas áreas mais próximas ao centro da cidade, as áreas de periferia se mostram precárias, especialmente nas proximidades do rio Acre.


6. FOTOS
Cidade Nova

Ligações clandestinas de energia elétrica.


Via residencial, sem pavimentação e passeio público.


Triângulo Velho

Pavimentação de tijolos, sem passeio público.

Via sem pavimentação.


Taquari

Quadra de esportes necessitando manutenção.


Via sem pavimentação e passeio público.


06 de Agosto

Lixo jogado no Rio Acre.
População retirando móveis das residências, devido à alagação que atingiu parte da regional.


FAAO – Faculdade da Amazônia Ocidental, Curso de Arquitetura e Urbanismo
DISCIPLINAS: Planejamento Urbano e Regional e Infraestrutura Urbana
ORIENTAÇÃO: Profa. Ana Cunha Araújo
ALUNOS: Elaiane N. N. Sales, Maria Gabrielle M. Miguéis e Rafael V. Eluan.
Pesquisa feita em Março de 2009.

9 comentários:

  1. Gabrielle Miguéis14 de abril de 2009 20:21

    Ficou ótimo Ana. Adorei!
    Já consegui aquela informação e mandei pro teu email. Beijosss.

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do trabalho (e do blog). Objetivo, altamente informativo, e o principal: torna evidente a situação lastimável que certas áreas da cidade se encontram. É assim que as mudanças começam... Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Ótimo trabalho! Acredito que assim como eu, a maioria das pessoas desconhecem as informações dadas por esse trabalho. Estão de parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Obrigada pelos comentários Gabrielle (parceira e co-autora), Gustavo e Hugo. Infelizmente a situacao apresentada nesta postagem é realmente "lastimável", como disse Gustavo.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns, para pesquisa é ótimo

    ResponderExcluir
  6. Obrigada! Uma de nossas metas é justamente fornecer subsídios para pesquisa.

    ResponderExcluir
  7. PARABÉNS. ESTA PESQUISA REALIZADA DE FORMA BRILHANTE, ME AJUDOU MUITO.
    SEI QUANTAS BARREIRAS SAO ENCONTRADAS QUANDO REALIZAMOS UMA PESQUISA.
    BELISSIMO TRABALHO, MAIS UMA VEZ PARABENS!

    ResponderExcluir
  8. Muito Bom o trabalho de vcs, parabens.

    ResponderExcluir